segunda-feira, 10 de agosto de 2009

I FESTIVAL DE INVERNO DE MISSÃO DO SAHY

O I Festival de Inverno de Missão do Sahy, realizado pela Rede UNEB 2000 / Convênio Senhor do Bonfim, será uma ação resultante da Oficina Interdisciplinar de Produção Cultural ministrada
pelos professores Beatriz Barros, Carmélia Miranda, Norma Leite e Reginaldo Carvalho com os
estudantes do 3º semestre do cur so de Pedagogia com habilitação em Educação Infantil
e Séries Iniciais. O festival será planejado, executado e avaliado na perspectiva de se tornar um
movimento de caráter não eventual, com ênfase na mobilização pela garantia de acesso à fruição e produção artística contextualizadas com a história e cultura local. As ações v i s am a g r e g a r c r ia n ç a s , a d o l e s c e n t e s , a d u l t o s , educadores, artistas, líderes comunitários e outros agentes sócio-culturais do povoado de Missão do Sahy para práticas culturais e educativas além de reflexão acerca do movimento em prol do desenvolvimento da comunidade.

PROGRAMAÇÃO

07/08 SEXTA-FEIRA E 08/08 SÁBADO

• Inscrições nas oficinas. Das Sede da Casa do Aprendiz Urupês de Missão
do Sahy
• Pré-produção. Das 8h às 12h. Diversos locais.
• Oficinas. Das 13h às 17h. Escola Estadual de Missão do Sahy e Escola Municipal Antônio Bastos de Miranda.
• Apresentação dos resultados das oficinas.
Das 17h às 18h. Praça do Comércio.
• Exibição de vídeofotoarte de Marco Cesário.
Das 18h às 19h. Praça da Igreja, parede branca da casa da esquina.
• Espetáculo lítero-musical inspirado nas poesias de José Vicente.
Das 19h às 20h.
Palco da festa.
• Apresentação do Espetáculo Afro Dança.
Das 8:30h às 9h. Pátio da Escola Estadual de Missão do Sahy.
• Mesa Redonda: Qual a nossa missão?
(João Assis: Valorização da cultura local através da arte.
Maria das Neves: Lendas da Missão.
Cristiane: Pré-história em Missão do Sahy – os primeiros passos.
Paulo Machado:Missão do Sahy e o movimento de
expansão territorial na Bahia.
Juracy Marques: Identidade indígena na contemporaneidade: o caso de Missão do
Sahy.
Lançamento do livro Pedras Pintadas: dilemas socioambientais do complexo arqueológico de Paulo Afonso, da autoria de Cleonice Vergne e Juracy Marques).

Das 9h ás 12h. Pátio da Escola Estadual de Missão do Sahy.
• Feijoada da integração.
Das 12h às 14h. Rua da Estação nº 100.
• Espetáculo Teatral: O Museu da Emília (Direção: Alexandrina Carvalho).
Das 14h às 15h. Pátio da Escola Estadual de Missão do Sahy.
• Feira de Arte e Culinária (Incluindo Maquiagens artísticas, exposição do fotógrafo Jean Santos e Banda de pífanos).
Das 15h às 17h. Praça do Comércio.
• Encontro Regional de Cordelistas (Com lançamento dos cordéis de Raninho dos Santos).
Das 15h às 17h. Praça do Comércio.
• Espetáculo de Variedades.
Das 15h às 17h. Praça do Comércio.
• Cortejo Cênico (Com todos os participantes fantasiados de personagens das lendas da Missão e acompanhados por uma bandinha musical).
Ruas da Missão.
• Abraço à estação, recital da poesia “Missão de todos nós”, contação de uma lenda da Missão e apresentação de violino.
Ruínas da Estação Ferroviária.

5 comentários:

  1. Sou aluno do curso de Pedagogia do programa Rede Uneb 2000. Participei e contribuí para a realização do festival, sob o comando do professor arte- educador Reginaldo Carvalho, e as professoras do curso: Noema Leite, Beatriz Barros, Carmélia Miranda, ETC... A avaliação do evento na minha opinião foi muito boa, ótima, ascendeu a chama de uma questão tão presente e necessária, que se encontrava meio que adormecida, agora é dar continuidade ao processo de legalizaçãoe reconhecimento do povo de Missão como povo descedentes natos de indigenas, basta os moradores ou boa parte deles se reconhecerm com descendentes de indigenas!Não negar a identidade.

    ResponderExcluir
  2. Com certeza amigo, o que é interessante é que a comunidade ja começa a despertar e tomar conhecimento de sua origem, acredito que mais longe estivemos, vamos continuar batalhando pra que isso venha acontecer com bravidade. Não esqueça,se vc é de Missão do Sahy, a sua monografia deve ser voltada pra aspectos da comunidade: pessoas, o trabalho, lendas, educação, arquitetra, religião...isso é muito importante como documento academico os quais servirão como suporte para o reconhecimento. Outra coisa,não esqueçam de alertar a comunidade pra não fazer doações de nada que for encontrado em escavações ou mesmo em casa: objetos, fotografias, cartas, cartões, santinhos politicos, propagandas..etc.Isto vale pra quem é descendente ou mesmo aqueles que residem na localidade.

    ResponderExcluir
  3. Glorinha,
    Um novo tempo se inicia para os remanescentes de índíos em Missão do Sahy.
    "Vestígios de nós"
    Com sua pesquisa você está possibilitando a construção de novas sensibilidades, sentimentos, valores, comportamentos, enfim novas formas de conhecer e perceber a própria identidade.
    Alguém como você faz acontecer.
    Saudades de vc.
    Beijo
    Celmar

    ResponderExcluir
  4. Parabenizo toda a equipe de professores que pegam disciplinas nesse semestre do curso na rede uneb 2000 por tomar essa iniciativa de promover um evento tão significante na historia de Missão do Sahy. Isso é só o começo. Ainda jegaremos lá. com fé nos nos pajés e curandeiros que aqui viveram....

    ResponderExcluir
  5. Parabens pelo blog.. parabens para todo pessoal que faz parte deste belissimo projeto.. Sucesso!

    ResponderExcluir